Algarve e os trabalhadores da Ryanair «não são descartáveis» diz PCP

Algarve e os trabalhadores da Ryanair «não são descartáveis» diz PCP

O Secretariado da Direção da Organização Regional do Algarve (DORAL) do Partido Comunista Português (PCP), «ao mesmo tempo que manifesta a solidariedade com os trabalhadores da Ryanair, exigindo a reintegração dos trabalhadores despedidos e o respeito pelos direitos de todos os trabalhadores da empresa (incluindo com o cumprimento da legislação nacional), reclama do governo uma atitude firme que ponha fim à impunidade com que esta multinacional atua no nosso país».

Em nota enviada esta quinta-feira às redações, o partido lembra que a «Ryanair procedeu, no início deste ano, a um despedimento coletivo no Algarve de mais de 80 trabalhadores. Estes tripulantes de cabine, cujo contrato de trabalho estava celebrado com a Crewlink (empresa de trabalho temporário ligada ao próprio grupo Ryanair), são atirados desta forma para o desemprego, confirmando uma política de afronta e violação sistemática dos direitos dos trabalhadores na qual se funda o modelo de negócio desta multinacional».

Os comunistas apontam que «este é só mais um dos muitos atropelos que a Ryanair tem vindo a impor aos direitos dos trabalhadores.

Neste sentido, o PCP irá questionar o governo na Assembleia da República sobre as medidas necessárias para garantir os direitos dos trabalhadores e os interesses do algarve e do país.