Covid-19: Registados nove casos positivos relacionados com festa ilegal em Lagos

Covid-19: Registados nove casos positivos relacionados com festa ilegal em Lagos

As autoridades registaram, até agora, nove casos positivos de covid-19 relacionados com uma festa ilegal que reuniu um número indeterminado de pessoas em Lagos, disse hoje à Lusa fonte da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve.

Em declarações à Lusa, a mesma fonte adiantou que o primeiro caso foi detetado no sábado e que, até segunda-feira, às 00:00, foram reportados nove casos de infeção entre as pessoas que estiveram no evento, que já estão em isolamento.

“Estamos a fazer o procedimento habitual: identificámos os casos, isolámos, e identificámos todos os contactos que as pessoas tiveram com o objetivo de quebrar cadeias de transmissão”, acrescentou a fonte da ARS/Algarve.

Reconhecendo a existência um foco de infeção em Lagos – concelho onde, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, havia cinco casos – a mesma fonte frisou que o trabalho de identificação das pessoas envolvidas está ser feito com outras “estruturas da comunidade”, nomeadamente, com a PSP.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Lagos referiu que o evento se realizou no salão de festas da freguesia de Odiáxere, envolvendo um número indeterminado de pessoas, de vários locais do país.

“O que foi inicialmente comunicado é que seria uma festa de aniversário para 15 a 20 pessoas, mas as autoridades constataram que, afinal, terá havido um número muito superior a esse”, indicou Hugo Pereira.

Segundo o autarca, a GNR foi ao local depois de ter sido alertada para um movimento significativo de pessoas que entravam e saíam do salão, tendo identificado o promotor do evento.

Depois de terem sido confirmados os primeiros casos, no passado fim de semana, “constatou-se que as pessoas tinham todas, e apenas, em comum o facto de terem participado no evento”, frisou.

“Estamos a tentar chegar às pessoas que tiveram contacto no local, as suas famílias e colegas de trabalho e outras com as quais possam ter tido contacto, para efetuarem o rastreio à doença e ficarem sob vigilância”, sublinhou.

De acordo com Hugo Pereira, até ao momento foram identificadas mais de 50 pessoas, admitindo que “o número possa aumentar nas próximas horas ou dias”.