DGS recua na intenção de obrigar crianças institucionalizadas a fazer quarentena

DGS recua na intenção de obrigar crianças institucionalizadas a fazer quarentena

Tal como tinha sido anunciado na passada sexta-feira por Graça Freitas, a Direção-Geral da Saúde (DGS) alterou, esta segunda-feira, a orientação de prevenção contra a Covid-19 que impunha a crianças o cumprimento de uma quarentena quando chegavam a centros de acolhimento.

“Para as Instituições de Acolhimento de Crianças e Jovens em Situação de Perigo e Lares de Infância e Juventude, as medidas para a admissão de novos residentes/utentes são adaptadas, de modo a salvaguardar o bem-estar psicológico das crianças e jovens, não se aplicando os procedimentos relativos à realização de teste laboratorial para SARS-CoV-2 e de isolamento profilático, sem prejuízo de ser feita uma avaliação clínica na admissão de novos residentes/utentes”, pode ler-se na alteração.